Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

18/09/2013 13:01

“Maior dor do mundo”, diz mãe de bebê morto por falta de pediatra

Campo Grande News/ Aliny Mary Dias

Na casa onde a bebê Bianca Gavilan viveu durante 13 dias antes de sofrer uma parada cardíaca e morrer por falta de médico pediatra em dois hospitais, o clima é de tristeza e revolta. Karen Gavilan Correa tem 20 anos e ainda se recupera da perda da primeira filha esperada por toda a família.

“Eu só espero que outros bebês de outras mães não morram como a minha. Só queremos Justiça porque é a maior dor do mundo”, conta emocionada a mãe de Bianca.

A rotina e os planos de toda a família mudaram há 9 meses, quando Karen descobriu que estava grávida. Ela e o marido Alex de Souza, de 25 anos, moravam em Campo Grande e levavam a vida de um casal jovem como tantos outros.

A gravidez e a preocupação por um futuro seguro para a primeira filha levou o casal a se mudar de cidade. “A gente queria um local tranquilo e sem violência para criar nossa filha, por isso, nos mudamos para Amambai”, a cidade localizada no sul do Estado e distante 360 quilômetros da Capital foi o lar da família durante os nove meses de gravidez.

Diante da falta de estrutura médica da cidade, o casal resolveu, então, voltar para Campo Grande apenas para ter Bianca. O objetivo era esperar Karen se recuperar da cesária e a família voltaria para Amambai.

O emprego de padeiro do marido impediu que ele viesse para Campo Grande, a decisão do casal foi a de Karen vir para Campo Grande e ficar na casa da mãe, Edna Gavilan Rodrigues, de 39 anos.

Grávida, Karen chegou na Capital no dia 22 de agosto. No dia seguinte, a jovem, que teve todo o pré-natal e o parto realizado na rede privada de saúde, foi até o consultório do médico Alfeu Duarte Souza, diretor da maternidade Cândido Mariano, para a primeira consulta preparatória para o parto.

Todos os exames, consultas e ultrasons feitos dias antes do parto atestavam que Bianca era um bebê saudável e que não teria problemas após nascer. A cesariana ocorreu no fim da manhã do dia 3 de setembro e foi um sucesso, mas a avó de Bianca precisou acompanhar todos os “passos” de Bianca a pedido da mãe.

“A minha filha já tinha um pressentimento de ficar sem a Bianca. Ela tinha muito medo que roubassem a bebê, então eu fiquei na sala de parto, no berçário e em todos os lugares que ela ia eu ficava junto”, desabafa a avó Edna.

Durante os 13 dias de vida, Bianca foi um bebê normal, segundo a família. Os problemas começaram na noite do último domingo (15) quando a criança apresentou uma dificuldade em respirar. “Eu vi que ela só respirava pela boca e estava com o olho fundo. Corri até minha mãe e resolvemos levá-la para o hospital”, conta Karen.

A decisão de chamar um táxi e levar a criança até a maternidade Cândido Mariano, orientação dada à mãe após a alta, é motivo de arrependimento da família. Chegando no local, por volta da 1 hora da manhã, o segurança da maternidade disse que não havia médico.

A segunda tentativa foi o Hospital El Kadri, mas a resposta foi a mesma. “O guarda disse que não tinha médico e que a gente tinha que ir pra Santa Casa”, explica. Desesperada, a avó de Bianca ligou para o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) para saber o posto de saúde mais próximo.

A UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do bairro Coronel Antonino foi a indicação dos socorristas seguida à risca pela família. Na unidade, Bianca foi atendida em 2 minutos e o diagnóstico foi breve. “Minha filha estava em parada cardíaca e a enfermeira correu para chamar os médicos da ambulância do Samu”, diz a mãe.

Os médicos tentaram todos os procedimentos de reanimação, mas as tentativas foram em vão e Bianca morreu com 13 dias de vida. Na certidão de óbito, a causa da morte é indeterminada, o que causa mais revolta à família.

Consulta rápida – Além da falta de médicos e demora de mais 1 hora pelo atendimento, outra situação que indigna a família e levanta suspeitas quanto a saúde de Bianca foi uma consulta realizada antes da mãe e do bebê terem alta.

A família explica que a médica pediatra que avaliava Bianca ainda na maternidade recebeu uma ligação durante a consulta e ficou abalada. Ao telefone, a médica havia descoberto que o sobrinho tinha morrido. A partir daí, a consulta não foi bem feita, segundo a família.

“A gente até entende que a médica tenha ficado nervosa, mas ela tinha que ser profissional e chamar outro pediatra para avaliar minha filha. Quem sabe se tivessem descoberto algum problema antes ela estivesse viva com a gente agora”, desabafa o pai.

Na tarde desta quarta-feira (18), a família irá se encontrar com o médico Alfeu Duarte, diretor da maternidade, e promete cobrar respostas. “Nós queremos uma explicação, se constatar que houve erro, vamos entrar na Justiça para que não aconteça com outras pessoas”, completa Karen.

O exame que irá atestar a causa da morte de Bianca deve ficar pronto em até três meses.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)