Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

20/08/2015 11:00

"Barriga de chope" pode ser baixa de testosterona

Saúde Plena

 

Amsterdã – Não são apenas as mulheres que sofrem com a oscilação de hormônios. Os homens também. E a velha e saliente “barriguinha de chope” deles pode ser um sinal de baixa taxa de testosterona e um gatilho em potencial para doenças do coração, como o infarto e o acidente vascular cerebral (AVC). Como é um dos principais sintomas da baixa taxa de hormônio masculino, a barriguinha, que nem sempre é causada pela ingestão de bebida alcoólica, foi reduzida com reposição hormonal, diminuindo os riscos de doenças do coração. Esse é o resultado de um estudo alemão, prestes a ser publicado no jornal científico Mundial Urology. Polêmico, o tema foi apresentado no início do mês no congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia, em Amsterdã.

Com autorização dos pesquisadores, o endocrinologista alemão Farid Saad foi quem apresentou o estudo durante o congresso. De acordo com ele, a pesquisa é inédita no mundo e procurou relacionar o baixo nível de testosterona com as doenças cardiovasculares. Para isso, 40 homens, entre 59 e 70 anos, que apresentavam baixo nível de testosterona foram acompanhados durante cinco anos. Eles se submeteram a um tratamento de reposição hormonal.

“A medicação usada tinha como objetivo estabilizar a testosterona, aumentando a massa magra do indivíduo e diminuindo a gordura”, comentou o endocrinologista, que é diretor médico global de saúde masculina do laboratório Bayer. Ele explicou que quem tem a “barriguinha de chope”, são homens com uma circunferência abdominal maior que 94 centímetros.

“A barriga é um dos sintomas da baixa taxa de testosterona, somado ainda a fatores como a diminuição do interesse sexual, problemas de ereção, baixa vitalidade e depressão”, afirmou Farid, explicando ainda que, para os problemas cardiovasculares, os principais fatores de riscos são a obesidade, hipertensão, resistência à insulina e triglicérides alto. “Homens com baixa testosterona apresentam pelo menos três desses fatores”, diz.

O baixo nível do hormônio aparece em qualquer idade, mas, segundo Farid, é mais comum acima dos 45 anos. “Vimos que durante os cinco anos de tratamento com reposição hormonal injetável, que fica no organismo durante três meses, eles conseguiram perder mais de 15 quilos, ou seja, reduziram a circunferência abdominal, conseguindo diminuir o risco de doenças cardiovasculares de forma indireta”, comenta.

O médico diz ainda que, para perder a barriguinha, as atividades físicas muitas vezes não são motivantes o suficiente. “A pessoa tende a perder a motivação muito rápido e recuperar toda a gordura localizada em pouco tempo.”

EXPERIÊNCIA COM SUÍNOS
O coordenador de Relações Institucionais da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas, Márcio Jansen de Oliveira Figueiredo, lembra que uma pesquisa espanhola, apresentada em Brasília no ano passado e ainda em andamento, apontou que porcos que receberam duas latas de cerveja por dia não eram mais pesados dos que não tomavam bebida alcoólica. “Por isso, quando falamos em barriguinha de chope nem sempre ela está associada à ingestão de álcool. O aumento da cintura, claro, faz crescer o risco das doenças cardiovasculares.” Figueiredo reconhece que emagrecer é sempre muito difícil, e pela reposição hormonal, talvez seja mais fácil, porém ele adverte: “É preciso mais estudos para se tirar conclusões.”

Na opinião do cardiologista Marcus Vinícius Bolívar Malachias, professor da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, trata-se de uma questão polêmica. “A reposição hormonal nada mais é do que os famosos anabolizantes que são capazes de queimar a gordura e aumentar a massa corporal”, afirma, acrescentando que eles se proliferaram de forma negativa na sociedade. “Com o uso da testosterona realmente perde-se gordura, mas a longo prazo pode não ser benéfico. Pode haver aumento das chances de esse homem desenvolver doenças do fígado e câncer de próstata, o que gera uma grande discussão no meio médico.”

TESTOSTERONA
Todos os homens produzem testosterona, que é o hormônio sexual masculino mais importante. Ele atua em várias áreas do organismo, sendo responsável pela manutenção de músculos, ossos, gorduras, espermatogênese, e de comportamentos como libido, agressividade e emoções. Aproximadamente 20% dos homens com mais de 50 anos têm nível baixo desse hormônio. A testosterona é produzida quase toda nos testículos numa quantidade de 5mg a 7mg por dia.

É sintetizada a partir do colesterol e secretada pelos testículos em resposta ao hormônio luteinizante (LH), que é liberado pela adeno-hipófise com o hormônio folículo-estimulante (FSH) e a prolactina. Considera-se normal quando o nível de testosterona dosado no sangue fica entre 300mg/dl e 1050mg/dl. Os níveis estão sempre variando dependendo da hora do dia ou da noite. Por isso, uma dosagem baixa deve ser confirmada por novo exame feito em outro momento do dia.

CAUSAS
A deficiência de testosterona pode ser devido a problemas dos testículos, como diminuição da circulação arterial ou por alterações do mecanismo de controle hormonal do organismo. As manifestações mais comuns são diminuição da massa muscular, aumento da gordura abdominal, diminuição da densidade óssea (osteoporose), diminuição do interesse por sexo, piora da qualidade e da frequência das ereções, diminuição da força física, mudança do perfil lipídico no sangue, queda na sensação de bem-estar, cansaço, fraqueza, desinteresse intelectual, depressão, insônia e mau humor.

Tipos de tratamento
O tratamento deve reproduzir as oscilações normais da testosterona e dos seus metabólitos. A reposição hormonal só é indicada quando as queixas clínicas forem compatíveis com o exame físico e os achados laboratoriais. Nem todos os homens se enquadram nessas condições. É necessário que as dosagens hormonais comprovem o quadro clínico do paciente.

Fonte: Sociedade Brasileira de Urologia

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)